Suplemento com estimativas do que retratam a tripla carga de doença no Brasil

Publicação: 3 de fevereiro de 2022

.

O suplemento da Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (https://www.scielo.br/j/rsbmt/i/2022.v55suppl1/) que apresenta os estudos publicados sobre a tripla carga de doenças no Brasil em 2019 foi lançado.

O suplemento constitui uma parceria que envolve a Rede GBD Brasil – Carga Global de Doenças, a Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, o Institute of Health Metrics and Evaluation (IHME) da Universidade de Washington, e diversas Universidades brasileiras como: Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade de Brasília, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Fiocruz, Universidade Federal de Juiz de Fora, Universidade Federal de Ouro Preto, Universidade Federal de Goiás, Universidade Federal de Santa Catarina, Universidade do Sul de Santa Catarina,  Secretaria de Vigilância em Saude/MS e outras. 

A diversidade de temas dos artigos do suplemento reflete a tripla carga de doenças no Brasil, ilustrada pela concomitância de doenças infecciosas, crônicas e de causa externa. “Foram utilizadas as estimativas do estudo Global Burden Disease (GBD), do Institute of Health Metrics and Evaluation (IHME), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). Analisamos dados de 360 doenças e lesões e 84 fatores de risco por idade e sexo. As estimativas do GBD são importantes pela padronização de métodos, possibilitando a comparação entre os estados, a evolução temporal, e assim apoiar tanto a correta compreensão dos problemas de saúde do país, quanto o planejamento das ações em saúde”.  

Dentre as análises apresentadas no suplemento, destacam-se artigos que abordam os fatores de risco metabólicos como a hipertensão arterial e obesidade, e fatores de risco comportamentais e modificáveis (tabaco, álcool, inatividade física, alimentação inadequada), que respondem pelo aumento da carga de Doenças crônicas não transmissíveis (Cardiovascular, respiratórias cronicas, câncer e diabetes); alta carga de incapacidade por dor lombar, osteoartrite, artrite reumatoide e gota no Brasil; câncer. Pela primeira vez foram analisados temas da  saúde bucal; tais como edentulismo, periodontite e cáries dentárias e sobre o uso de cocaína.

A carga da violência no país é conhecida em cinco artigos com diferentes enfoques. Como a mortalidade por feminicídio no Brasil, a elevada  mortalidade no trânsito com  aumento das taxas de mortalidade no trânsito por motocicleta,  alem de artigos sobre a mortalidade por suicídios. Inclusive entre idosos.

Em relação as doenças infeciosas, o artigo sobre HIV analisa o impacto positivo das medidas de prevenção introduzidas pelas politicas publicas de acesso ao diagnóstico e do tratamento antirretroviral na infecção e estudos sobre a pandemia da Covid-19, apontando o excesso de morte durante a pandemia, bem como a redução de internações hospitalares por outras doenças crônicas, como DCV, respiratórias e câncer  no período pandémico.

Em 14 de fevereiro às 17 horas haverá o lançamento da revista com a presença de autores. O evento é destinado a alunos de graduação e pós-graduação, docentes e pesquisadores. Gratuito e sem a necessidade de inscrição prévia.