Saúde e tecnologia: projeto Linhas de Cuidado leva conhecimento interativo para o SUS

Publicação: 8 de janeiro de 2022

A plataforma interativa vai oferecer subsídios para a organização dos serviços no SUS

Materiais on-line orientam profissionais de saúde, gestores e cidadãos quanto à identificação de agravos e onde buscar atendimento

Segundo o Ministério da Saúde, 1,5 milhão de brasileiros convivem com o vírus da hepatite B ou C. A maioria das pessoas desconhece o diagnóstico ou não descobre de forma precoce. Para contribuir no enfrentamento desse problema de saúde pública, a pasta lançou, em dezembro de 2021, um serviço que tem por objetivo auxiliar o cidadão, gestores e profissionais de saúde no enfrentamento das hepatites B e C. Chamada de Linha de Cuidado das Hepatites Virais no Adulto, a plataforma on-line oferece subsídios para a organização e a padronização dos serviços oferecidos em todos os níveis de atenção no Sistema Único de Saúde (SUS). Ela também ajuda o usuário a ter mais autonomia, com acesso a informações sobre as doenças, quais as atividades de promoção, prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação disponíveis na rede pública e por onde iniciar o atendimento. A plataforma pode ser acessada durante a consulta pelo computador, smartphone ou tablet.

A ferramenta também detalha os pontos críticos que devem ser observados pelos gestores, tanto na Atenção Primária quanto na Especializada, para que todo o processo seja feito de forma integrada e com o objetivo estratégico comum, ajudar a reduzir a mortalidade atribuída às hepatites em mais de 75%, até 2030, meta estabelecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A construção se baseou no levantamento de dados de protocolos, diretrizes e normas técnicas previamente estabelecidos pelo Ministério da Saúde e pelas secretarias de Saúde estaduais e municipais. Caso o município ou região já possua uma Linha de Cuidado para as hepatites B e C, a recomendação é avaliar a possibilidade de adequações com a Linha de Cuidado proposta nesta nova plataforma.

Atualmente, estima-se que mais de 450 mil pessoas estão com infecção ativa pelo vírus da hepatite C no Brasil, e cerca de 1,1 milhão de pessoas têm hepatite B e, possivelmente, desconhecem o diagnóstico. Globalmente, as hepatites virais representam um grave problema de saúde pública. O impacto dessas infecções acarreta mais de 1,1 milhão de mortes anualmente no mundo, seja por infecção aguda, câncer hepático ou cirrose associada às hepatites. A taxa de mortalidade da hepatite C, por exemplo, pode ser comparada às do HIV e tuberculose. Na maioria das vezes são infecções silenciosas, que não apresentam sintomas. As mais comuns no Brasil são A, B e C, conhecidas como hepatites virais. Ainda existe a hepatite D, mais frequente na região Norte, e a hepatite E, menos presente no País. O SUS disponibiliza testes rápidos para hepatites B e C, vacinas contra as hepatites A e B, exames de carga viral, exames confirmatórios e medicamentos seguros e eficazes, que permitem o controle da hepatite B e curam mais de 95% dos casos de hepatite C.

Linha de Cuidado HIV/Aids

Em outubro o Ministério da Saúde já lançou a Linha de Cuidado voltada ao HIV/aids no adulto, com o objetivo de ampliar e qualificar o acesso ao diagnóstico, ao tratamento e ao cuidado contínuo, com foco em usuários adultos. Na plataforma, gestores encontram orientações para organizar e reorganizar a rede de atenção, enquanto profissionais de saúde (não só da Atenção Primária, mas também especializada, de urgência e hospitalar) têm acesso a materiais sobre o manejo e planejamento terapêutico, para melhor avaliar a especificidade de cada paciente, considerando seus desejos e necessidades. O projeto também ajuda pacientes que queiram tirar dúvidas sobre o HIV/Aids, conferir informações sobre a prevenção e entender qual caminho deve percorrer no atendimento dentro do SUS

Ao todo, serão disponibilizadas uma série de 24 materiais temáticos voltados para a orientação dos profissionais de saúde, gestores e cidadãos, produzidas em parceria com o Instituto de Avaliação de Tecnologia em Saúde (IATS). Elas foram pensadas com base nas mais atualizadas evidências científicas existentes no Brasil e no mundo, com o objetivo de orientar gestores, profissionais e usuários sobre técnicas relativas à organização do atendimento do sistema de saúde e descrever o caminho mais adequado que o paciente deve percorrer na rede de atenção Além das hepatites virais, até o momento, foram lançadas Linhas de Cuidado sobre os seguintes temas: AVC no adulto; Diabetes Mellitus tipo 2, Hipertensão Arterial Sistêmica no Adulto; Transtorno do espectro autista na criança; HIV/Aids no adulto, Obesidade no adulto e tabagismo. Outros temas previstos para lançamento são câncer de mama e do colo do útero, depressão, ansiedade e asma, dentre outras.

As Linhas de Cuidado fortalecem a Rede de Atenção à Saúde (RAS) ao promover a integração de ações e serviços e a formação de relações horizontais desde a unidade de saúde na Atenção Primária até os serviços especializados. A ferramenta facilita, orienta e incentiva o uso dos insumos, tecnologias e outros recursos em saúde no cotidiano de trabalho, na elaboração e na implementação de ações de prevenção, rastreio, diagnóstico, tratamento e acompanhamento das pessoas. Todas as linhas contam também com uma página específica para o usuário e gestores de saúde.