Revistas científicas comerciais: um mercado de luxo?

Publicação: 10 de setembro de 2021

Maior parte da pesquisa produzida no mundo ainda é acessível a poucos, enquanto rios de dinheiro escoam dos cofres públicos para grandes corporações editoriais

É preciso um compromisso muito mais profundo e um envolvimento mais ativo com o acesso livre e aberto à ciência e ao conhecimento científico em todas as suas várias fases e formas

Um artigo publicado na seção de ciência do blog The Wire, intitulado “Why I Won’t Review or Write for Elsevier and Other Commercial Scientific Journals” expôs as questões referentes a conflitos no mercado de artigos científicos, que gera uma economia de prestígio, a qual permite às grandes revistas cobrarem o que bem entendem, além de obterem mão-de-obra gratuita de cientistas ansiosos por associarem-se a suas marcas como revisores ou editores. É um mercado em que o contribuinte paga para que a ciência seja produzida, paga para que ela seja publicada e paga para assinar as revistas que a publicam. O sistema poderia ser reformado com facilidade se não fossem aqueles cientistas que insistem em ditar regras tão apegados às publicações de alto fator de impacto que os levaram à elite, e os novos tão obcecados por seguir o mesmo caminho.

Para saber mais sobre o assunto, a Assessoria de Comunicação da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT) entrevistou o Dr. TR Shankar Raman (também conhecido como Sridhar), um escritor que virou cientista da vida selvagem. Como escritor, ele escreve não-ficção criativa e ensaios reflexivos sobre natureza e conservação para jornais, revistas e blogs, além de resenhas ocasionais de livros e artigos de opinião ou de destaque.

Confira a entrevista na íntegra.

SBMT: Em seu artigo o senhor menciona racismo, sexismo e condescendência (patronizing). Qual a sua opinião sobre a ética da avaliação por pares?

Dr. TR Shankar Raman: A revisão por pares é considerada uma parte essencial da ciência. Tem uma função de guarda na publicação científica. No entanto, os princípios, as boas práticas e a ética da revisão por pares nem sempre são ensinados aos pesquisadores como parte essencial de seu treinamento acadêmico. Muitos de nós começam a ver as revisões por pares como comentários sobre nossos primeiros manuscritos e fazem nossas primeiras revisões por pares quando convidados por um periódico ou editor. Em parte por causa disso e em parte porque os cientistas são humanos que podem estar sujeitos aos mesmos vieses e preconceitos que outras pessoas, a revisão por pares muitas vezes fica aquém de ser a avaliação totalmente objetiva que deve ser. Os periódicos fornecem diretrizes genéricas para os revisores, mas, mesmo assim, as revisões racistas, sexistas ou paternalistas passam pelos editores. Eu tenho um link para artigos sobre isso na minha postagem do blog. Pesquisadores e cientistas, especialmente os que não falam inglês, de países menos desenvolvidos e de instituições menos conhecidas estão frequentemente recebendo esse tipo de avaliações pelos pares. Por exemplo, conheço casos em que revisores pediram ao autor para incluir como coautor um cientista experiente de uma instituição ocidental para que seu artigo fosse competitivo ou bom o suficiente; disse a autores da Índia que são falantes nativos de inglês para que seu artigo fosse lido e examinado por um falante nativo de inglês (sem apontar quaisquer problemas com o inglês em seus manuscritos); e assim por diante. A revisão duplo-cega por pares tenta resolver alguns desses problemas, mas tem seus próprios problemas. Pessoalmente, acho que revisões por pares assinadas e transparentes são o caminho a seguir como norma.

SBMT: Existem princípios éticos na revisão por pares de artigos científicos?

Dr. TR Shankar Raman: Certamente. As diretrizes do Comitê de Ética em Publicações (COPE) podem ser tomadas como referência do tipo de profissionalismo, integridade, honestidade e cortesia esperados nas avaliações por pares. Além disso, declarar interesses concorrentes e conflitos de interesse é vital. A confidencialidade durante o processo de revisão é outro princípio importante – ninguém quer que suas idéias sejam roubadas ou plagiadas de um manuscrito não publicado por um revisor inescrupuloso e anônimo.

SBMT: O senhor acredita que há corrupção no processo de avaliação por pares? Se sim, esse processo estaria corrompendo a ética científica de neutralidade?

Dr. TR Shankar Raman: Pelo que eu sei, felizmente, eu mesmo não sofri até agora com a corrupção no processo de revisão por pares. Com base na minha experiência limitada, não seria capaz de afirmar o quão difundido é e se as resenhas e publicações são usadas como uma forma de patrocínio ou para discriminar os rivais. Até certo ponto, ambos provavelmente ocorrem. Mas você menciona neutralidade. Acho que a neutralidade pode ser uma aspiração para cada um de nós quando fazemos avaliações, mas provavelmente é mais realista aceitar que nenhum de nós é verdadeiramente neutro ou imparcial. É igualmente vital que, como revisores, reflitamos e entendamos quais podem ser nossos próprios vieses ou preconceitos e como eles podem ter afetado nossas impressões sobre um artigo e nossas revisões. Os periódicos raramente pedem aos revisores que considerem isso ou forneçam uma declaração explícita com base na reflexão sobre sua neutralidade ou preconceitos – o foco está no revisado, raramente no revisor, embora o último também seja importante.

SBMT: Em sua opinião, qual a razão das revistas mais conceituadas serem todas muito caras para publicar ou para consultar?

Dr. TR Shankar Raman: Em primeiro lugar, quero contestar a noção do que é um periódico conceituado. Muitas vezes, é baseado no fator de impacto do periódico (FIP). Agora, há evidências suficientes para mostrar que o FIP é uma métrica muito fraca de qualidade em ciências. FIP não é um número mágico: é apenas um índice negociado entre periódicos e a empresa que fornece a análise calculada como uma média em vez de uma mediana e sujeita a todos os tipos de problemas e vieses. Além disso, é a qualidade de um artigo que nos interessa e não uma métrica artificial da própria revista. O FIP de um periódico não diz nada sobre a qualidade de qualquer artigo específico desse periódico. Na verdade, há mais retratações, dados falsificados e erros nesses chamados periódicos de alto impacto (para estudos sobre isso, veja este post recente) . Infelizmente, uma falsa conexão é traçada entre qualidade e publicação bem-sucedida em tais periódicos, e isso é então usado para decidir sobre empregos e promoções na academia. Como resultado, uma corrida para publicar nessas revistas foi induzida, o que é explorado por editoras científicas comerciais como Elsevier, Wiley, Springer Nature e algumas outras que monopolizaram o mercado, por assim dizer, e cobram taxas exorbitantes de processamento de artigos . Com base nas estimativas de um estudo recente, parece que esses editores estão cobrando de 5 a mais de 10 vezes o custo real de publicação de um artigo científico típico. É a ironia primordial de nossos tempos: os cientistas que se orgulham de sua objetividade foram enganados por um sistema muito subjetivo e imperfeito para publicar nos chamados jornais de renome, enquanto as editoras comerciais riem ao irem depositar seus enormes lucros nos bancos.

SBMT: Por que as revistas “diamond/platinum” são as menos valorizadas pelas métricas editoriais e pelas agências de fomento?

Dr. TR Shankar Raman: Eu não tenho ideia de por que isso deve ser assim. Parece que a comunidade acadêmica acabou de se encurralar. Existem muitas revistas diamante excelentes e de acesso aberto. Os periódicos publicados pela Indian Academy of Sciences  são um bom exemplo (embora tenham um estranho acordo de co-publicação com a Springer Nature, os periódicos e artigos podem ser acessados gratuitamente no site da Academia e não há cobrança para os autores publicarem). Claro, o número de artigos que um periódico diamante de acesso aberto pode publicar pode ser menor e muitos estão em áreas de nicho da ciência em vez de alcance multidisciplinar e, portanto, seu alcance pode ser inferior ao de periódicos comerciais de grande orçamento pode alcançar com seus recursos. Mas isso significa apenas que as revistas diamante de acesso aberto devem receber mais apoio para ter um melhor alcance, e não se transformarem em editoras comerciais. Todo o financiamento público e filantrópico para a ciência tem tudo a ganhar apoiando e obrigando a publicação em periódicos diamante de acesso aberto.

SBMT: Como delinear uma política (policy) em defesa da ciência do Sul através da promoção de periódicos “diamond/platinum”?

Dr. TR Shankar Raman: Como indivíduos, cada um de nós pode tomar uma posição, como tentei em meu post – que não revisarei ou publicarei em periódicos comerciais, mas o farei especialmente para periódicos diamante de acesso aberto. Particularmente, cientistas seniores e líderes em suas áreas devem dar o exemplo publicando, revisando ou aceitando estar no conselho de revistas diamante de acesso aberto. Mas isso não irá longe, a menos que também trabalhemos coletivamente para mudar a política geral. Como comunidade, devemos peticionar às nossas academias, financiadores e administradores científicos para que mudem as políticas de modo a dar maior reconhecimento aos artigos publicados em revista diamante de acesso aberto. Isso pode desencadear uma grande mudança: especialmente se começar a contar para empregos e promoções na academia. O fator de impacto deve ser descartado como um método desatualizado, prejudicial e retrógrado. Destinatários de fundos públicos devem ser obrigados a publicar em revistas diamante de acesso aberto publicadas por sociedades científicas sem fins lucrativos, pois esta é a maneira mais econômica de gastar os fundos disponíveis (limitados) para conseguir uma publicação que seja livre, aberta e amplamente acessível, enquanto apoiando e fazendo avançar a ciência. Outras iniciativas, como Gold Open Access, autoarquivamento das versões finais submetidas ou modelos APC de pagamento para publicação, são todas medidas paliativas ou que discriminam e excluem um grande número de cientistas em todo o mundo – aqueles não podem pagar as altas taxas exigidas. As políticas devem defender o apoio à taxa de adesão para que acadêmicos e professores novos e efetivos se juntem a sociedades acadêmicas que publicam revistas diamante de acesso aberto, para que os fundos sejam mantidos dentro da comunidade e para o avanço da ciência, em vez de alimentar os lucros de empresas comerciais.

SBMT: O senhor gostaria de explorar mais o conceito de editoria científica predatória?

Dr. TR Shankar Raman: A publicação predatória de ciência, na minha opinião, é apenas uma perversão da normalização dos modelos de pagar para publicar que permitimos acontecer e que a maioria dos chamados periódicos de renome estão usando hoje. Se o dinheiro for retirado da equação, reconhecendo os modelos de pagar para publicar como desonrosos para a ciência, e obrigando a publicação em periódicos diamante de acesso aberto, a maioria dos periódicos predatórios desaparecerá. Eu também tenho uma visão diferente da ideia de predação na publicação científica. Como escrevo em minha postagem :

Com assinaturas exorbitantes, altas taxas de publicação de acesso aberto ou acesso pago para cada artigo, empresas como Elsevier, Wiley e Springer Nature estão lucrando com uma empresa que gera conhecimento que na verdade pertence a todos e que deve ser verdadeiramente aberto e gratuito para qualquer pessoa no mundo para acessar. Para mim, essa também é uma forma de publicação predatória: predação corporativa desenfreada sobre presas acadêmicas em cativeiro.

SBMT: Podemos dizer que hoje a ciência é mais bem avaliada pelo continente (o periódico) que pelo conteúdo (o artigo propriamente dito)?

Dr. TR Shankar Raman: Sim. Muitas vezes me pergunto se cientistas ocupando cargos de poder, durante avaliações de propostas e entrevistas de emprego, lêem os artigos para avaliar um candidato e a qualidade de seu trabalho ou apenas seguem a fama e FIP dos periódicos em que seus trabalhos foram publicados. Se, como cientistas, acreditamos que é o processo de revisão por pares que é importante, por que não manter a revisão por pares e dispensar completamente os periódicos? Encontrar maneiras de ter artigos revisados e aceitos por pares, organizá-los por assunto ou tema, publicados com apenas um DOI e localizáveis por meio de uma pesquisa de banco de dados global? Alguns novos modelos de publicação interessantes já estão sendo implementados. O modelo Peer Community In  – onde os cientistas se reúnem em comunidades para revisar e recomendar abertamente preprints que são de acesso livre e aberto – pode  ser considerado equivalente à publicação de uma revista diamante de acesso aberto.

SBMT: O senhor acredita que exista um esforço planejado por parte dos países ricos para manter os países em desenvolvimento cientificamente atrasados?

Dr. TR Shankar Raman: Eu não iria tão longe a ponto de dizer isso. Mas certamente há uma cegueira ou obtusidade em relação à situação difícil dos cientistas nos países em desenvolvimento e em todas as economias de média e baixa rendas. Um artigo recente destaca as raízes coloniais de muitas de nossas práticas acadêmicas atuais e faz um apelo à descolonização da ciência. Descolonizar o acesso à literatura científica é uma parte crucial disso. Cientistas no Ocidente, em países mais ricos e em instituições de elite bem equipadas em todos os países, precisam descolonizar suas mentes e práticas científicas para permitir que a ciência floresça globalmente e com equidade.

SBMT: O senhor indicaria a Alexandra Elbakyan do Sci-Hub para o Prêmio Nobel. Se sim, como iniciar um movimento global para isso?

Dr. TR Shankar Raman: Não sou fã dos Prêmios Nobel, pois eles têm seus próprios preconceitos e não reconheceram adequadamente as contribuições científicas das mulheres, por exemplo. Mas dado que seu propósito declarado é premiar aqueles que conferiram o maior benefício à humanidade, Alexandra Elbakyan certamente se qualifica. Eu mantenho o que escrevi em minha postagem:

Alexandra Elbakyan, uma estudiosa e programadora de computador que criou e dirige o Sci-Hub, é provavelmente a única pessoa que contribuiu mais para a disseminação global da ciência e acesso à literatura científica do que qualquer outra pessoa na história humana.

Academias de ciências do Brasil, Índia e outros países, incluindo nações ocidentais, poderiam se reunir e indicá-la, talvez!

SBMT: O reconhecimento intelectual dos autores de países tropicais/pobres em colaboração com autores de grandes instituições de países ricos é um grande problema. Quem tem mais valor em uma publicação científica de colaboração Norte-Sul: que concebeu, quem colheu os dados, quem analisa ou que faz os experimentos sofisticados inacessíveis aos cientistas do Sul Global?

Dr. TR Shankar Raman: Esse é novamente um problema que o artigo que mencionei sobre a descolonização da ciência aborda com mais detalhes. Eu simplesmente recomendaria a todos que o lessem. Ele expõe o problema e propõe mudanças na forma como fazemos ciência: como ir além da ciência de ‘pára-quedas’ para envolver ativamente os colaboradores dos países mais pobres como parceiros iguais ou melhores de conhecimento (não como tokenismo), ter trocas recíprocas em vez de viagens só de ida de estudantes e acadêmicos, e assim por diante. Alguns periódicos adotaram políticas de que as publicações incluam autores dos países onde o trabalho foi realizado e assim por diante, o que é bem-vindo, mas há mais a fazer.

SBMT: Estariam as agências científicas do Sul Global repetindo o modelo de avaliação da ciência baseada nas métricas editoriais e prejudicando a própria ciência e cientistas dos seus países?

Dr. TR Shankar Raman: Não sei sobre outros países, mas na Índia, certamente. O fator de impacto do jornal é rotineiramente usado como uma métrica em avaliações de cientistas e seu trabalho. O Conselho de Pesquisa de Ciência e Engenharia da Índia privilegia a publicação em periódicos internacionais em vez de periódicos nacionais e solicita que o fator de impacto do periódico também seja fornecido. As normas UGC para o desempenho acadêmico do corpo docente, na verdade, dimensionam seu índice pelo fator de impacto do periódico. Isso é muito retrógrado e prejudicial. Outros aspectos, como publicação em periódicos diamante de acesso aberto, disponibilização de conjuntos de dados também disponíveis, outras formas de engajamento público para a ciência são todos ignorados neste sistema de avaliação. Em vez dessas métricas falhas, precisamos mudar para novos sistemas de avaliação que considerem outros aspectos, como orientação, diversidade e inclusão, qualidade do trabalho e assim por diante. Formas alternativas pelas quais isso pode ser realizado foram propostas.

SBMT: O senhor acredita que o Sul Global permanece colonizado do ponto de vista científico e cultural? Por quê?

Dr. TR Shankar Raman: Acho que já respondi a isso acima com referência ao artigo científico sobre descolonização.

SBMT: Os cientistas do Sul não são eles mesmos preconceituosos?

Dr. TR Shankar Raman: Como mencionei antes, todos os cientistas são humanos e provavelmente têm seus próprios vieses. No entanto, há uma enorme assimetria de poder, privilégio e influência quando comparados aos cientistas do Norte Global. O Sul está em desvantagem em muitos aspectos e isso precisa ser reconhecido e compensado por meio de políticas e ações ponderadas.

SBMT: De que modo os periódicos científicos do Sul Global podem adquirir respeitabilidade internacional?

Dr. TR Shankar Raman: Acho que não tenho experiência para responder a essa pergunta. Talvez seja algo para todos nós deliberarmos enquanto comunidade. Reúna conselhos editoriais de diferentes revistas diamante de acesso aberto publicadas no Sul Global para iniciar a conversa. Podem surgir ideias boas e práticas.

SBMT: Como aumentar a colaboração científica Sul-Sul? Índia e Brasil têm uma produção científica significativa. Não estaria na hora de iniciarem uma aliança entre os países do Sul?

Dr. TR Shankar Raman: Sim, Certamente. Como mencionei acima, não fazemos isso tanto quanto poderíamos ou deveríamos. Por exemplo, conduzindo conferências conjuntas sobre ecologia tropical, medicina e conservação, para citar alguns. Aqueles conduzidos hoje tendem a ter poucas vozes de cientistas que estão realmente baseados em países tropicais. Nomes famosos de instituições do Norte Global predominam na lista de palestrantes: isso também deve mudar.

SBMT: As florestas tropicais estão muito perigosamente ameaçadas. Qual é papel dos cientistas do Sul Global?

Dr. TR Shankar Raman: Acho que não apenas os cientistas, mas também as pessoas e comunidades do Sul Global precisam dar um passo à frente para liderar os esforços de conservação. Os cientistas também devem reconhecer os sistemas de conhecimento tradicionais dos povos indígenas, reconhecer os papéis que eles têm desempenhado como administradores de suas terras e florestas para conservar. As maiores ameaças são frequentemente de projetos de desenvolvimento destrutivos em grande escala, como mineração, estradas, linhas de transmissão, projetos de energia verde ou renovável em grande escala, represas e assim por diante. Os cientistas têm um papel fundamental não apenas para estudar isso e documentar os impactos abrangentes sobre a ecologia e a sociedade, os povos indígenas e sua cultura, mas para compartilhar suas descobertas amplamente com o público em todas as línguas locais para promover a conscientização pública e o envolvimento com a proteção do meio ambiente. Isso pode ajudar a combater a perda de florestas tropicais e também criar ímpeto suficiente entre os cidadãos para pressionar por mudanças políticas com a urgência e na escala em que são necessárias.

SBMT: O senhor gostaria de acrescentar algo?

Dr. TR Shankar Raman: Acho que já falei demais. Há muito a fazer e devemos agir como indivíduos, como parte de nossas comunidades ou sociedades científicas locais, e também como coletivos maiores que pressionam por mudanças nas políticas e práticas em todo o mundo.

Postagem de blog original em View from Elephant Hills:

Por que não vou revisar ou escrever para Elsevier, Wiley e outras revistas científicas comerciais

Republicado em The Wire – Science

Por que não vou revisar ou escrever para a Elsevier e outras revistas científicas comerciais