Presidente da SBMT repudia o decreto que revoga a condecoração concedida aos cientistas Adele Schwartz Benzaken e Marcus Vinicius Guimarães de Lacerda.

Publicação: 8 de outubro de 2021

.

Brasília, 05 de novembro de 2021

Exmo. Sr. Ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações
Marcos Pontes,

A Sociedade Brasileira de Medicina Tropical vem, por meio desta, manifestar seu repúdio ao decreto que revoga a condecoração como Comendador da Ordem do Mérito Científico concedida aos cientistas Adele Schwartz Benzaken e Marcus Vinicius Guimarães de Lacerda.

Num contexto em que a humanidade foi afetada de forma tão impactante pela pandemia de COVID-19, que ceifou a vida e a vitalidade de milhões de indivíduos e comunidades no planeta, reconhecer os méritos científicos daqueles que se dedicaram a encontrar soluções é ainda mais importante para inspirar e direcionar os rumos de nosso país. O Brasil se destacou no cenário da pandemia pela alta carga de doença e de mortalidade, respondendo por mais de 12% dos óbitos de COVID-19 do mundo, com mais de 600 mil brasileiros perdendo suas vidas. Diversos profissionais de saúde e cientistas brasileiros se lançaram ao desafio de encontrar soluções e caminhos para a redução do sofrimento da população, que assim como outras doenças infecciosas afeta de forma mais contundente as parcelas menos favorecidas da sociedade. Dedicar-se ao estudo e a descobertas que reduzam o sofrimento das populações mais vulneráveis e negligenciadas está no cerne da missão da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. O doutor Marcus Lacerda e membro de nossa sociedade, tendo sido presidente da SBMT no biênio 2015-2017, e assim como a doutora Adele Benzaken apresentam destacada e reconhecida excelência e atuação nacional e internacional nas suas carreiras dedicadas em prol da Medicina Tropical e da Ciência.

A retirada de seus nomes da lista de honrarias APÓS A DECISÃO DA COMISSÃO RESPONSÁVEL PELA RECOMENDAÇÃO DOS NOMES PARA RECEBER A ORDEM NACIONAL DO MÉRITO CIENTÍFICO é um caminho preocupante e condenável de negação do reconhecimento da necessidade do investimento e valorização da ciência nacional para que possamos progredir como país mais inclusivo e justo sem espaço para o negacionismo e atraso.

Pedro F. C. Vasconcelos
Presidente da SBMT