Nota de Esclarecimento

Publicação: 21 de maio de 2015

A Assessoria de Comunicação do Ministério da Saúde foi procurada e não se manifestou sobre o tema. Esperamos que a repercussão do texto levante o debate saudável do tema, uma vez que, quatro dias após a publicação da newsletter, conforme respondeu o Dr. Draurio, foi assinado um novo contrato para aquisição de PPD

Conforme ofício circular enviado aos estados em fevereiro deste ano (anexo), o Ministério da Saúde distribuiu 10 mil frascos-ampola de PPD à rede SUS. Além disso, assinou no dia 19 de maio de 2015 contrato com o fornecedor do PPD para o recebimento de mais 10 mil frascos-ampola até julho e outros 25 mil até dezembro deste ano.

Assim, pedimos a divulgação dessa informação, como contraponto à matéria divulgada, uma vez que o país não ficou “mais de ano sem conseguir comprar o teste”. Mesmo com a crise global de fornecimento do PPD, o Ministério da Saúde vem negociando junto ao fornecedor e ao laboratório produtor a normalização das aquisições do teste. O objetivo é conseguir 100.000 frascos-ampola para 2016. Além disso, o Ministério está em contato com alguns laboratórios nacionais e pesquisadores interessados na fabricação do PPD e também na incorporação do IGRA na tabela SUS. No entanto, ainda que as negociações viabilizem a produção nacional, esta é uma alternativa que traria uma solução de médio a longo prazo, não solucionando a crise pela qual o Brasil e os demais países que adotam o diagnóstico da infecção latente pela tuberculose atravessam desde o ano passado.

Draurio Barreira
Coordenador Geral
Programa Nacional de Controle da Tuberculose
DEVIT/SVS/Ministério da Saúde…