Na sombra do coronavírus: China registra surto de gripe aviária

Publicação: 13 de março de 2020

À medida que a ascensão da China à potência mundial continua, país precisa combater surtos de doenças infecciosas. país fez grandes progressos na saúde pública

Muitas das maiores epidemias do mundo foram encontradas na China, mas ela fez grandes progressos na saúde pública, tornando-se líder no estudo de doença contagiosa. Vacinas contra gripe fornecidas nos Estados Unidos, por exemplo, costumam ser encontradas em pesquisas realizadas na China

A China se tornou um epicentro de surtos de doenças. À medida que o mundo lida com o coronavírus de Wuhan, autoridades chinesas precisam conter também o surto de novo outra doença está causando preocupação: a gripe aviária. Uma cepa altamente patogênica da gripe aviária, o H5N1, causou um surto em fevereiro na província chinesa de Hunan, que faz fronteira com a província de Hubei, onde está localizado o epicentro do surto de coronavírus.

A doença não infecta facilmente seres humanos, mas, quando o faz, carrega uma taxa de mortalidade impressionante de 60%, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A maioria das infecções humanas surge após contato prolongado e próximo com aves infectadas. Os sintomas geralmente incluem tosse, diarréia, febre, dor de cabeça, coriza, dor de garganta, dores musculares e muito mais. No entanto, nenhum caso humano de H5N1 foi relatado até o momento. A gripe aviária tem uma taxa de mortalidade superior a 50%, muito acima da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), também conhecida como pneumonia atípica, e que tem uma taxa de mortalidade de 10%, ou o novo coronavírus, que tem um índice de 2%, até agora.

Para saber mais sobre o assunto, a Assessoria de Comunicação da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT) entrevistou o professor e pesquisador da Universidade de Edimburgo, o virologista Paul Digard. Seu laboratório pesquisa a biologia molecular e celular de como o vírus da gripe se replica, usando essas informações para entender a base da patogênese e da variedade de hospedeiros, bem como para estudos de tradução sobre medidas de controle de vírus e desenvolvimento de medicamentos antivirais.

Nos últimos anos, o grupo concentrou-se em três áreas principais: identificação de vias celulares e elementos virais envolvidos no tráfico de genoma e montagem de vírus, no funcionamento da síntese de RNA viral e seu papel na definição da gama de hospedeiros e na identificação de novos polipeptídeos de vírus, pelo menos três dos quais afetam a patogenicidade do vírus.

Confira a entrevista na íntegra.

SBMT: O senhor poderia falar sobre a história da gripe aviária?

Professor Paul Digard: Gripe aviária é o nome coloquial mais recente para influenza aviária – geralmente atribuído a cepas de vírus que saltaram para seres humanos. Como uma doença aviária, tem uma história bastante longa – certamente já no século XIX, quando foram notados surtos de “praga de aves”. O isolado mais antigo do vírus influenza A é (ou pelo menos foi – pode ter sido perdido ao longo dos anos por contaminação em laboratório com outra cepa do vírus) na verdade um vírus aviário. Conhecido então como “praga das aves”, o vírus foi isolado em 1902 na Itália. A primeira cepa humana do vírus só foi isolada em 1933, e somente mais vinte anos depois é que as pessoas perceberam que o “vírus da peste aviária” era na verdade o mesmo tipo de vírus que causava a influenza humana. Nas quatro décadas seguintes, a gripe aviária foi amplamente vista como apenas um problema para aves; foram registradas algumas infecções humanas por uma cepa de gripe aviária, mas estas eram amplamente leves e autolimitadas, geralmente apresentando-se apenas como conjuntivite. Tudo isso mudou em 1997 quando um pequeno, mas grave surto de infecção humana por uma cepa aviária H5N1 foi detectado em Hong Kong. Apenas 18 pessoas foram infectadas, mas 6 morreram, um nível alarmante de mortalidade por um tipo de vírus conhecido por causar pandemias globais a cada poucas décadas, nas quais mais de um terço da população mundial poderia estar infectado. Felizmente, embora o vírus H5N1PD – pudesse pular de aves para pessoas, ele não podia transmitir de pessoa para pessoa. O surto foi controlado com sucesso, erradicando a fonte do vírus (em Hong Kong), despovoando todos os mercados locais de aves vivas. Infelizmente, o vírus permaneceu em aves selvagens na China continental e reapareceu em 2003, novamente em Hong Kong (onde mais uma vez foi controlado com sucesso), mas também em outras partes do Sudeste Asiático (onde não era controlada). Durante a década seguinte, o vírus H5N1 e seus descendentes (as chamadas cepas H5NX) se espalharam por grande parte do mundo. Entre 2003 e o presente, os números oficiais da OMS confirmam mais de 800 infecções humanas e 455 mortes, reforçando a ameaça potencial do vírus. No entanto, o vírus nunca (ou pelo menos até agora) evoluiu para ser transmissível pelo homem, poupando assim ao mundo uma pandemia potencialmente devastadora. Os casos humanos de infecção pelo H5n1 atingiram o pico em 2006 e (exceto um aumento em 2015 no Egito) diminuíram para nenhum caso em 2018 e apenas um caso em 2019. As razões para essa redução gradual no número de infecções humanas provavelmente têm tanto a ver com as circunstâncias de como o vírus evoluiu nas aves selvagens quanto com as medidas de intervenção; o vírus também continua sendo uma ameaça mortal para aves, como mostrou o surto de H5N2 em 2015 nos EUA. Descendentes do H5N1, como a variante H5N6 ainda representam uma ameaça para os seres humanos. Nos últimos 5 anos, aproximadamente, duas dúzias de pessoas foram confirmadas como infectadas com esta cepa e sete morreram.

SBMT: O senhor poderia falar sobre o recente surto de gripe aviária na China?

Professor Paul Digard: Entre 2015 e 2019 houve apenas 6 casos humanos de H5N1 na China e uma morte, e ainda não houve casos humanos de H5N1 em 2020 (dados até 20 de janeiro de 2020).

Na avaliação de risco humano-animal para influenza aviária entre Novembro 2019 e janeiro de 2020 a OMS afirma: “Avaliação de risco: o risco geral à saúde pública dos vírus influenza atualmente conhecidos na interface homem-animal não mudou, e a probabilidade de transmissão sustentada de homem para homem desses vírus permanece baixa. São esperadas mais infecções humanas com vírus de origem animal”.

https://www.who.int/influenza/human_animal_interface/Influenza_Summary_IRA_HA_interface_20_01_2020.pdf?ua=1

Quanto ao H7N9, houve 5 ou 6 ondas de surtos desde 2013; as 4 primeiras ondas foram de influenza aviária de baixa patogenicidade, mas na onda 5 a cepa patogênica baixa adquiriu o local de clivagem multi-básico na proteína da superfície viral da hemaglutinina, que resultou na disseminação da influenza aviária de alta patogenicidade em aves de criação. Desde 2013 houve mais de 1.500 infecções humanas confirmadas, mas apenas 33 delas estavam com a forma altamente patogênica do H7N9. Quando surgiu a forma altamente patogênica do vírus, as autoridades chinesas iniciaram um programa intensivo de vacinação para que as aves domésticas controlassem os vírus H5 e H7 e, consequentemente, apenas algumas infecções foram detectadas na onda 6.

https://www.who.int/influenza/human_animal_interface/influenza_h7n9/en/

https://www.who.int/influenza/human_animal_interface/avian_influenza/riskassessment_AH7N9_201702/en/

https://www.who.int/docs/default-source/wpro—documents/emergency/surveillance/avian-influenza/ai-20200124.pdf?sfvrsn=30d65594_48

No entanto, embora ambos os vírus H5 e H7 parecessem estar sob controle na China (embora tenham ocorrido surtos em aves domésticas), os vírus H5 também entraram nas populações domésticas de patos e, após o rearranjo com outras formas patogênicas circulantes, foram transportados via aves selvagens para outros países da Ásia, Europa e América do Norte [H5N8 Science paper ref]. Uma sub-cepa de vírus H5 altamente patogênicos, o H5NX, reagrupa frequentemente e adquire diferentes subtipos da proteína da superfície da neuraminidase. Isso inclui os vírus N2, N6, N5, e N8 que produzem os vírus H5N2, H5N6, H5N5 e H5N8. De fato, existem duas linhagens de H5N6 – uma delas (a linhagem asiática H5N6), que causou cerca de 30 casos confirmados em humanos, sendo 15 deles fatais.

https://www.oie.int/animal-health-in-the-world/update-on-avian-influenza /

https://www.gov.uk/government/publications/avian-influenza-ah5n6-risk-assessment/avian-influenza-ah5n6-risk-assessment

Mais informações sobre o surto recente de gripe aviária na China podem ser obtidos na página da OMS.

https://www.who.int/influenza/human_animal_interface/H5N1_cumulative_table_archives/en/

SBMT: O H5N6 é uma nova ameaça na Ásia? Por quê?

Professor Paul Digard: Eu não diria que é uma nova ameaça – é mais uma evolução da ameaça H5 com a qual vivemos nos últimos 20 anos.

Em 2020, foram relatados dois novos surtos de vírus H5 altamente patogênicos em aves domésticas, um dos H5N6 no Vietnã e um dos H5N1 na China. Embora isso não seja uma boa notícia, não é inesperado, pois o HPAI H5 não foi erradicado dessas regiões (e hoje é considerado endêmico). Enquanto isso, o HPAI H5N8 também chegou à Europa novamente (inverno 2019/2020) e há novamente detecções em aves selvagens com alguns surtos em aves de criação.

https://www.who.int/docs/default-source/wpro—documents/emergency/surveillance/avian-influenza/ai-20200207.pdf?sfvrsn=223ca73f_40

https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/858047/hpai-europe-update8-jan2020.pdf

SBMT: Em sua opinião, quais são os principais desafios em relação à gripe aviária na China?

Professor Paul Digard: Este é um tópico enorme. O principal problema é que o reservatório do vírus é a população de aves selvagens, que não pode ser controlada diretamente. Outro grande problema é a biossegurança – impedindo o influxo de vírus influenza da população de aves selvagens nas aves domésticas. A experiência diz que isso não é fácil, mesmo em grandes propriedades comerciais, onde as aves são mantidas em ambientes fechados em celeiros com protocolos de desinfecção de rotina em vigor. Em um país onde ainda há um grande número de granjas de aves relativamente pequenas com baixa biossegurança, alimentando mercados de aves vivas, onde humanos e aves entram em contato diário, é ainda mais difícil de administrar. Deve-se notar, no entanto, que (como Sam menciona acima), o recente programa de vacinação de aves H5/H7 implementado pelo governo chinês tem sido muito bem-sucedido, de fato, no controle do vírus H7N9 Esta é uma lição valiosa com a qual muitos países poderiam aprender.

SBMT: Em sua opinião, qual o motivo do aumento da gripe aviária de alta patogenicidade?

Professor Paul Digard: O número de surtos registrados de HPAI aumentou nos últimos 60 anos. É provável que o aumento seja multifatorial. Melhores relatórios estarão parcialmente por trás disso. A ocorrência de H5N1 que aparece em aves selvagens e (ao contrário de qualquer vírus HPAI conhecido anteriormente), conseguir sobreviver e transmitir através de distâncias continentais na população de aves selvagens é, sem dúvida, outro fator. O crescimento da indústria avícola global também terá contribuído.

SBMT: O artigo “Quantificando preditores para a difusão espacial do vírus da influenza aviária na China destaca que os preditores econômico-agrícolas , especialmente a densidade populacional de aves e o número de mercados de produtos agrícolas, são os principais determinantes da difusão espacial da AIV na China; alta densidade humana e transporte de carga também são preditores importantes de altas taxas de transmissão viral; Recursos climáticos (por exemplo, temperatura) foram correlacionados com a invasão viral no destino até certo ponto; enquanto pouco ou nenhum impacto foi encontrado por fatores ambientais naturais (como a cobertura de águas superficiais). Concordam? Porquê?

Professor Paul Digard: Eu diria que só porque este estudo não detectou um efeito importante de coisas como a cobertura das águas superficiais não significa que isso não desempenha um papel em algumas circunstâncias – muitos outros dados epidemiológicos indicam que as águas superficiais, que atraem aves selvagens, pode ser um fator facilitador para a disseminação da IA nas aves.

SBMT: O que podemos esperar em relação à gripe aviária na China nas próximas semanas e meses?

Professor Paul Digard: Isso é muito difícil de prever – espero que seja um período tranquilo! Os chineses não precisam de mais surtos virais para enfrentar.

SBMT: Podemos dizer que a gripe aviária na China é o próximo grande risco para a segurança global? Por quê?

Professor Paul Digard: Eu diria que a gripe aviária continua sendo um risco sério, mas não é o próximo grande risco. Claramente, o SARS-CoV-2 é o grande risco atual e não tenho certeza de que muitas pessoas previram isso. Os cientistas estudam vírus há mais de um século e uma das lições que sempre lembramos é que sempre há uma surpresa ao virar da esquina. Hanta, Ebola, Zika, SARS, Schmallenberg, uma pandemia de gripe H1N1 quando já tínhamos o H1N1, só para citar alguns exemplos.