Fórum Social Brasileiro para Enfrentamento de Doenças Infecciosas e Negligenciadas será realizado no primeiro dia do 53º MedTrop

Publicação: 11 de julho de 2017

Nesta nova edição em 2017, mais uma vez, contamos com a mobilização e participação de todos os que acreditam em um mundo cada vez melhor e menos desigual, sem doenças infecciosas e negligenciadas

Durante o 53º MedTrop (Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical), que será realizado em Cuiabá, Mato Grosso, dentro das atividades da XXXII REUNIÃO ANUAL DE PESQUISA APLICADA EM DOENÇA DE CHAGAS & XX REUNIÃO DE PESQUISA APLICADA EM LEISHMANIOSES, ocorrerá no dia 27 de agosto de 2017 o “Fórum Social Brasileiro para Enfrentamento de Doenças Infecciosas e Negligenciadas”, juntamente com o 2º Encontro Brasileiro de Movimentos Sociais de Luta Contra Doenças Negligenciadas. A temática definida para este ano foi: “Acesso à Saúde e Desenvolvimento Inclusivo”.

Em 2016, durante o 52º Medtrop, em Maceió, o Fórum produziu um documento referencial em um movimento em defesa do SUS e de fortalecimento do enfrentamento das Doenças Infecciosas e Negligenciadas: a Carta de Maceió. Este movimento foi constituído a partir da mobilização de pessoas afetadas, representantes de diferentes movimentos sociais, profissionais de saúde, pesquisadores de diferentes areas, organizações internacionais, dentre outros, o que possibilitou a organização do 1º Encontro Brasileiro de Movimentos Sociais de Luta Contra Doenças Negligenciadas, realizado durante o 52º Medtrop. No Encontro, foi criado um fórum para dar continuidade às discussões depois do Congresso e um manifesto expresso neste documento referencial em defesa do Sistema Único de Saúde.

Leia a carta na íntegra:

Carta de Maceió

“A defesa do SUS e o enfrentamento das Doenças Infecciosas e Negligenciadas”

Os Movimentos Sociais de pessoas afetadas pela doença de Chagas, o Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase, as pessoas atingidas pela Leishmaniose, NHR Brasil (Netherlands Hanseniasis Relief – Brasil), DNDi (Drugs for Neglected Diseases initiative), UAEM Brasil (Universidades Aliadas para o Acesso a Medicamentos Essenciais – estudantes organizados), professores,  pesquisadores, gestores e profissionais de saúde, reunidos na 31ª Reunião Anual de Pesquisa Aplicada em Doença de Chagas e 19ª Reunião de Pesquisa Aplicada em Leishmanioses, inseridas no 52º Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, em Maceió manifestam:

Dentre os inúmeros desafios que existem na saúde pública Brasileira, as doenças negligenciadas assumem um papel prioritário e moral no avanço de uma sociedade. Doenças que já poderiam ter sido eliminadas, permanecem produzindo sofrimentos, sequelas e estigmas aos seus portadores e familiares, muito disso fruto de uma invisibilidade e preconceito institucional e político. Continua sendo um desafio a redução das vulnerabilidades individuais, sociais e programáticas.

Essa realidade precisa ser encarada com muita determinação e talvez não fosse tão séria se o tripé promoção, proteção e recuperação da saúde fosse mais integrado. Além disso, nos municípios brasileiros existem problemas crônicos referentes aos determinantes sociais da saúde – em especial renda, educação, moradia e saneamento.

No intuito de aglutinar forças comprometidas com os avanços na política de saúde, os movimentos sociais de pessoas atingidas por essas doenças clamam a todos os comprometidos com a medicina tropical, e toda a sociedade, para não permitir que nenhum direito conquistado seja recuado e negado. Precisamos neste momento político defender as conquistas do SUS e lutar para que as demandas específicas sejam atendidas.

O compromisso com o Direito à Saúde se dá, principalmente, através de seu alinhamento ou não às medidas fiscais e econômicas que reduzem a capacidade da União, Estados e Municípios de garanti-lo, causando mortes, sofrimento e doenças. A valorização dos trabalhadores e trabalhadoras da saúde, combatendo a precarização e favorecendo a democratização das relações de trabalho, tendo como referência as condições do SUS para atendimento das necessidades da população, é um compromisso primordial, que deve ser assumido inclusive por candidatos e candidatas às eleições municipais de 2016.

É uma vergonha que em pleno século XXI pessoas com leishmanioses, doença de Chagas, hanseníase, tuberculose, filarioses, hepatites, verminoses entre tantas outras doenças infecciosas e negligenciadas ainda se percebam invisíveis na atenção básica e especializada do SUS, precisando de mais políticas concretas de busca ativa, acolhimento, diagnóstico, tratamento e reabilitação.

Esses desafios nos levam a conclamar toda sociedade para:

Maceió, 21 de agosto de 2016.