American Society of Tropical Medicine and Hygiene homenageia profissionais por contribuições na área

Publicação: 8 de dezembro de 2014

Presidente da SBMT, Dr. Mitermayer Galvão dos Reis, está entre os agraciados com o Honorary International Fellows. Reconhecimento ocorreu durante evento internacional onde o combate ao Ebola foi um dos principais temas

Dr. Miter Honraria

Este é um reconhecimento dado a cidadãos não americanos que fizeram grandes contribuições no campo da Medicina Tropical

Durante a 63ª Reunião Anual da American Society of Tropical Medicine and Hygiene (ASTMH), que ocorreu entre os dias 2 e 6 de novembro, em New Orleans, Lousiana, o Ebola esteve entre os temas mais recorrentes nos debates. O evento, porém não deixou de lado outras enfermidades recorrentes nos países pobres, como a malária, a dengue e o cólera. Aqueles que trabalham em todo mundo contra esses males também não foram esquecidos. Ao todo, cinco profissionais envolvidos com as doenças tropicais foram agraciados com o “Honorary International Fellows”, concedido pela ASTMH. São eles: Mitermayer Galvão dos Reis (Brasil), Delia Enria (Argentina), Akira Ito (Japão), David Molyneux (Reino Unido) e Sow Samba (Mali).

O presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT), Dr. Mitermayer, doutor em Patologia Humana, disse estar lisonjeado com a honraria e lembrou que, para alcançá-la, é preciso apoio familiar e profissional. “Este é um reconhecimento dado a cidadãos não americanos que fizeram grandes contribuições no campo da Medicina Tropical, além de auxílio em trabalhos internacionais. Não só em número de contribuições à ciência, mas também pela atuação como gestor na área e pela orientação a estudantes. Para chegar a um estágio desses é preciso ter bom suporte da família, como minha esposa e colega, Eliana Reis, e meu filho, Mitermayer Almeida Reis, e também dos colegas de profissão. A produção científica é fruto de trabalhos que se desenvolvem em colaboração com vários pesquisadores, estudantes e assistentes administrativos”, explicou.

Dr. Miter 1

O reconhecimento internacional se deve às contribuições dadas pelo pesquisador, que é baiano, tanto à comunidade científica quanto à sociedade. Quem garante é o doutor em Doenças Contagiosas, Dr. Ronald Blanton, cientista da Universidade Case Western Reserve (EUA), um dos especialistas que indicou o brasileiro à honraria. De acordo com ele, enquanto o Dr. Mitermayer esteve à frente da Fundação Oswaldo Cruz, na Bahia, a instituição alcançou um grau de excelência comparável aos melhores centros do mundo. Entre as alterações citadas pelo norte-americano, além da estrutura física, está a integração entre os cientistas e a abertura do local para a comunidade. A honraria o torna membro permanente da ASTMH.

Dr. Mitermayer foi diretor da Fiocruz/Bahia por quatro mandatos e é membro da Academia de Medicina da Bahia. Atualmente, é chefe do Laboratório de Patologia e Biologia Molecular da Fundação, além de coordenador do curso de pós-graduação em Biotecnologia em Saúde e Medicina Investigativa. Tem experiência em doenças parasitárias e infecciosas com ênfase em esquistossomose, hepatites virais, leptospirose, dengue, meningites bacterianas, tuberculose e hemoglobinopatias.

O evento

Na abertura da 63ª Reunião Anual da ASTMH, o ex-presidente e fundador da Microsoft, Bill Gates, afirmou que o momento é de ataque ao Ebola na África Ocidental para garantir o fim da epidemia da doença, sendo essa a última – outras ocorreram no continente africano nos anos de 1995, 2000 e 2007. Ele chamou o surto de um “momento crucial na saúde global” e reconheceu que os países mais ricos finalmente estão atentando para o tema, mas é preciso ações mais efetivas. Gates também ressaltou que o fortalecimento dos sistemas de saúde é a melhor maneira de proteger a população contra epidemias.

A necessidade de fortalecimento dos sistemas de saúde, com o objetivo de prevenir situações de risco à população, também foi destacada pelo recém empossado presidente da ASTMH, Dr. Christopher Plowe, durante o evento. “O surto de Ebola já deixou claro que, quando se trata do risco representado por doenças transmissíveis, precisamos esperar o inesperado. Pode ser um vírus diferente, mas vamos enfrentar outras ameaças e precisamos estar preparados para lidar com elas”, afirmou.…