À Professora Lígia Robalinho

Publicação: 22 de fevereiro de 2015

De repente, em 22 de fevereiro de 2015 os professores da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília foram surpreendidos com a notícia do falecimento da Professora Maria Lígia Robalinho Lima. O que ocorreu? Como isso aconteceu? Perguntavam surpresos os colegas da Faculdade e do Hospital Universitário, que há pouco tiveram contato com a Professora, que a viram se aposentar em outubro de 2014 e que recentemente a  homenagearam na Pediatria do Hospital Universitário da UnB. Todos surpresos e perplexos diante do inédito, mas de fato a Professora já passara e apesar do impacto  só nos resta aceitar e conformarmos.

A Professora Maria Lígia, para nós seus colegas “Lígia” era pernambucana e formou-se na Universidade Federal do Pernambuco. Atuou na Universidade de Brasília desde os idos de 1977, ainda na Unidade Integrada de Saúde de Sobradinho, o primeiro Hospital da Universidade de Brasília. Antes atuou como Professora na Universidade de Londrina no Paraná. Ministrando aulas na UnB desde 1977, contribuiu na formação de centenas de médicos para o Distrito Federal e para o Brasil.   Pediatra de formação ensinava os alunos o manejo das doenças infecciosas e parasitárias na enfermaria e no ambulatório de Pediatria, onde além de orientar no tratamento de várias doenças infecciosas e parasitárias, dava especial ênfase ao cuidado das crianças nascidas de mães com doença de Chagas, até dirimir a dúvida de eventual infecção congênita. No seu afã, acompanhou várias crianças com doença de Chagas até transferi-las para o ambulatório de doenças infecciosas de adultos.  Procedente do Nordeste e tendo o exemplo de parentes médicos, pesquisadores das doenças infecciosas e parasitárias, na Universidade Federal de Pernambuco, nutria especial interesse pelos pequeninos sob seus cuidados com essas doenças. Por esse motivo atuou várias décadas no Curso de Aperfeiçoamento em Medicina Tropical da Universidade de Brasília e em seguida no Curso de Especialização em Medicina Tropical, compartilhando seu saber com médicos compatriotas e latino-americanos. Como bem expressou seu irmão e o Sacerdote durante a prédica, a Professora cumpriu seu papel, desempenhou a sagrada missão a bem da Saúde Pública, enquanto esteve no planeta dos homens. A Professora jamais olvidou o Nordeste e nutria especial simpatia pelo frevo pernambucano como bem expressou seu filho no momento da despedida.

A Professora deixa com saudade seus familiares Dr. Dênio Lima, ex-Professor da Universidade de Brasília e seus três filhos. A Sociedade Brasileira de Medicina Tropical na pessoa de seu presidente Dr. Mitermayer Galvão dos Reis e a Regional da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical na pessoa de Dr. Dalcy Albuquerque Filho, oferecem palavras de pesar e conforto aos familiares  e agradecem o profícuo trabalho realizado pela Professora no Distrito Federal.