53º MedTrop registra participação de quase duas mil pessoas

Publicação: 30 de agosto de 2017

Evento contou com participantes da Argentina, Bolívia, Guiné-Bissau, Inglaterra, Itália, Peru e Uruguai, além de 26 estados brasileiros, mais o Distrito Federal

Durante quatro dias, Cuiabá/MT acolheu mais de 1800 pessoas que participaram do 53º MedTrop. A edição deste ano do tradicional Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT) registrou a presença de países como Austrália, Tailândia, Guiné-Bissau, Estados Unidos e Cuba. Já o Brasil se fez representar por 26 estados, mais o Distrito Federal. O evento contou com uma programação composta de mais de 40 mesas, quase uma dezena de conferências, além de 33 sessões de temas livres. A edição representou ainda a inovação tecnológica com o App e o E-poster, com os trabalhos disponíveis durante todo o evento.

A programação da Reunião ChagasLeish 2017, que também ocorreu durante o Congresso, mostrou que a ciência não tem fronteiras. Colaborações, troca de informações, discussões e reflexões com parceiros internacionais foram contempladas amplamente dentro das várias atividades com conferências e mesas redondas. Organismos internacionais como a Organização Mundial de Saúde (OMS), Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e Drugs for Neglected Diseases initiative (DNDi) trouxeram contribuições não só financeiras mas também com o enriquecimento da pauta de discussões. De acordo com a coordenadora da Reunião, a doutora Hiro Goto, atividades como as mesas redondas: “Desafios da Atenção Médica na Doença de Chagas” e “Variabilidade das manifestações clínicas da Leishmaniose Tegumentar”, mostraram a necessidade de compreender as diferenças da doença e a atenção à saúde no âmbito da América Latina na busca de soluções conjuntas considerando as especificidades de cada região ou pais. “Os pesquisadores ligados a OMS, OPAS e DNDi contribuíram com uma visão ampla para essas discussões, bem como para compor dentro do quadro global do atual estado de saúde”, ressaltou.

A presidente do 53º MedTrop, doutora Márcia Hueb, em palavras singelas, definiu essa grande ocasião: “O que é a ciência senão a compreensão permanente de que sempre há algo que ainda nem sabemos que não sabemos? O que seria da ciência sem os cientistas sábios de sua incompletude que os motiva a ouvir, observar e persistir? O que é a Medicina Tropical senão um mergulho nas profundezas das doenças de múltiplas faces com seus ciclos e ambientes? O que é o doutor tropicalista senão aquele que aceita o desafio do mergulho?”

Os Congressos da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

O MedTrop 2016, que aconteceu em Maceió/AL, recebeu mais de 2.300 pessoas com participação de países como Alemanha, Argentina, Bolívia, Chile, Espanha, Estados Unidos, Uruguai. No total, 26 estados brasileiros mais o Distrito Federal também marcaram presença.

Já o MedTrop 2015, que ocorreu em Fortaleza/CE, contou com a participação de aproximadamente 2.100 pessoas. A edição registrou presença de países como Austrália, Tailândia, Estados Unidos e Cuba. E o Brasil se fez representar por 23 estados.

Em 2014, o MedTrop, realizado em Rio Branco/AC, contabilizou aproximadamente 1.200 pessoas vindas da Argentina; Bolívia; Equador; Espanha; EUA; Inglaterra; Peru, Suíça, e Brasil, com participação de 21 estados mais o Distrito Federal.

Recife sedia a edição 2018

O 54º MedTrop já tem local certo: Recife (PE). O presidente eleito durante a Assembleia Ordinária da SBMT, Dr. Sinval Pinto Brandão Filho, assumiu o cargo com o grande desafio de organizar e sediar o Congresso. Em seu discurso de posse adiantou o compromisso de que a edição 2018 do MedTrop vai acolher, novamente, a 3ª edição do Fórum de Doenças Infecciosas e Negligenciadas.