53º MedTrop: Dr. Sinval Pinto Brandão Filho é eleito presidente da SBMT

Publicação: 12 de setembro de 2017

Novo presidente, que também é diretor da Fiocruz Pernambuco até 2021, comandará a Sociedade no biênio 2017-2019

Em sua fala de posse realizada na Assembleia Ordinária anual da SBMT, Dr. Sinval assumiu o compromisso de ampliar a discussão de temas relevantes e com impacto das doenças de populações negligenciadas, que representam antigos e novos problemas de saúde pública. Nesta direção, propôs agregar como eventos satélites conjuntos aos congressos anuais da SBMT (o MedTrop), outras reuniões que já acontecem regularmente há alguns anos, como a reunião de pesquisa em malária, a rede TB (tuberculose), Entomol-SOVE (vetores), saúde do viajante, além da Reunião de pesquisa aplicada em doença de Chagas e leishmanioses (Chagas-Leish), que já vem sendo realizado em conjunto com o MedTrop, e a 3ª edição do Fórum de Doenças Infecciosas e Negligenciadas. Todos estes eventos vão acontecer em conjunto com o 54º MedTrop, a ser realizado em Recife em 2018.

Confira abaixo entrevista com o novo presidente eleito.

SBMT: O senhor assume a SBMT com perfil e experiência de gestor, bem como tendo sido vice-presidente da SBMT. Isso pode contribuir?

Dr. Sinval: Certamente a experiência adquirida na gestão do IAM/Fiocruz PE contribui, pois lidamos com desafios constantes em dar resposta as diversas demandas em saúde pública, que exigem muito trabalho do gestor em articulações intra e interinstitucionais, muitas vezes em momentos de emergência em saúde, como foi o caso da epidemia de zika e microcefalia, em que nossa instituição conseguiu dar uma resposta rápida por sua expertise em epidemiologia, virologia e entomologia, e capacidade laboratorial instalada, mas o êxito obtido foi pela competência de nossos grupos de pesquisa em Pernambuco, razão exclusiva deste mérito, pelo intenso trabalho realizado e reconhecido pela comunidade científica nacional e internacional.

SBMT: O senhor, como pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz, como vê o atual cenário nacional e os desafios a serem superados neste momento adverso da conjuntura política e econômica que o pais atravessa. Gostaria de falar um pouco sobre isso?

Dr. Sinval: Sem dúvida é um momento muito difícil e delicado da vida nacional, mas que esperamos que seja passageiro, que pelo trabalho de nossa brava comunidade cientifica, busquemos a cooperação entre as instituições governamentais e do setor produtivo em saúde, para superarmos as dificuldades e preservarmos as conquistas e avanços obtidos para a área C&TI na década passada e ao longo da construção de nosso SUS.

SBMT: Em sua opinião, o que pode ser feito para que a Medicina Tropical tenha prioridade e visibilidade maior junto ao governo? O fato de o senhor ser diretor da IAM/Fiocruz pode contribuir de alguma forma?

Dr. Sinval: Eu penso que o governo sabe e reconhece a competência de nossa comunidade cientifica em medicina tropical, a saga e o êxito do trabalho iniciado por Oswaldo Cruz é um patrimônio e orgulho do pais e do povo brasileiro, que continua nos dias difíceis de hoje, veja o reconhecimento da comunidade cientifica internacional ao trabalho em resposta a epidemia de zika. Por outro lado, não é à toa que o Brasil talvez seja hoje o pais que tem mais pesquisadores no campo da medicina tropical.

SBMT: Recém-eleito, o Sr. já assume com grande desafio, o de organizar e sediar o 54º MedTrop. O senhor acredita que sua experiência em organização de eventos científicos, inclusive, internacionais, pode ajudar? Aqui cito exemplos de alguns que tiveram excelente repercussão nas áreas de sua atuação, como o primeiro Workshop Nacional sobre leishmanioses (Recife, 1993), Workshops sobre Biologia Molecular e Controle de Insetos Vetores de Doenças Tropicais, realizados em Recife nos anos 2004, 2006, 2008, 2010, 2012 e 2016, o XLV Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, realizado em 2009 no Recife, no qual foi o presidente, além  do Worldleish 5, – Fifth World Congress on Leishmaniasis, realizado em Porto de Galinhas/PE, em que foi o coordenador da Comissão Organizadora.

Dr. Sinval: Sem dúvida, mas o fundamental para o êxito destes eventos foi a colaboração solidária e o trabalho dedicado dos diversos colegas que trabalham comigo nas comissões organizadora e científica. Que possamos dar o melhor de nós para fazermos novamente um excelente MedTrop em 2018.